Terapia Ocupacional

Cerca de 90% das crianças com TEA apresentam problemas sensoriais significativos que acarretam prejuízos no desempenho das atividades do cotidiano, no autocuidado, e na interação social. A integração das informações sensoriais presentes nos ambientes em que a criança vive é vital para o desempenho ocupacional e a aprendizagem.

Em razão de alterações no controle da entrada sensorial e no processamento dos estímulos, a criança com transtorno do processamento sensorial (TPS) pode apresentar dificuldades importantes em diversas situações cotidianas. Com relação às atividades básicas da vida diária (ABVD), observa-se a seletividade alimentar, quando a criança recusa alimentos com consistência e texturas diferenciadas, por exemplo. Nas atividades de higiene pessoal, a criança chora, foge e se irrita na hora do banho, ou demonstra agressividade e impulsividade ao cortar as unhas, os cabelos e ao vestir- se.

Em outros casos, a criança pode apresentar registro ou discriminação diminuída dos estímulos sensoriais, dificuldade de integrar esses estímulos à atividade motora, planejar e executar tarefas, o que acarreta em comportamentos de passividade, alienação e isolamento. Tais comportamentos de base sensorial também influenciam no desempenho nas atividades instrumentais da vida diária (AIVD), já que a criança apresenta problemas para orientar sua atitude a mudanças ambientais, na rotina ou na presença de novas informações sensoriais. No ambiente doméstico, essas dificuldades podem levar à inabilidade para acompanhar o ritmo e engajar-se em atividades de lazer com a família, retração afetiva ou dependência para comunicar-se, usar o computador, manusear utensílios e organizar materiais, cuidar de seus pertences ou circular pelo bairro.

É fundamental a efetiva compreensão de como as informações sensoriais estão sendo moduladas, organizadas e integradas durante as atividades básicas e instrumentais da vida diária para uma melhora no desempenho. O trabalho do terapeuta ocupacional com o método de Integração Sensorial contem princípios que estabelecem uma integração dos sistemas sensoriais,  um estado de alerta e a regulação das emoções que fornecem a base para a criança desenvolver respostas adaptativas aos desafios que se apresentam no dia-a-dia.

A equipe de Terapia Ocupacional do Instituto Priorit desenvolveu um projeto de atendimento em domicílio com o objetivo de promover o desempenho ocupacional satisfatório nas atividades que a criança realiza em casa.  É construído um plano de intervenção centrado na família e com base em avaliações de Integração Sensorial que identificam as alterações sensoriais, motoras e da práxis da criança, bem como as demandas do ambiente (organização do espaço e das rotinas familiares).  A terapia ocorre na casa da criança e no território por onde a família circula, de maneira que a criança é auxiliada a desenvolver habilidades necessárias à realização das atividades cotidianas e estimulada a brincar.  Este plano inclui a elaboração de adaptações para a realização das ABVD e AIVD, a introdução da Comunicação Alternativa ou Suplementar e a organização de uma Dieta Sensorial individualizada para as necessidades de cada criança.

As adaptações podem ser feitas nos talheres para facilitar a alimentação, no banheiro para facilitar o banho, o desfralde e o vestir-se, também no ambiente do quarto da criança ou de convívio familiar para a melhor discriminação dos estímulos, orientação espaço-temporal, planejamento e execução das atividades. A Comunicação Alternativa e suplementar inclui cartões de comunicação elaborados em conjunto com a criança e a família, e também podem ser utilizados softwares para apoiar a organização da rotina e estimular a sociabilidade.

O terapeuta ocupacional pode prescrever a Dieta Sensorial, como um complemento da terapia, que contém orientações e estratégias sensoriais para melhorar a organização e diminuir reatividade emocional durante a rotina diária. Alguns exemplos são: a prescrição de coletes de neoprene ou ponderados, a introdução fones auriculares ou da técnica da escovação da pele antes ou durante alguma atividade. Estas estratégias facilitam a manutenção da atenção e a percepção de novas informações sensoriais, apoiam a habilidade da criança em responder às demandas da atividade com sucesso e sustentam a permanência da criança durante o processo de realização.

Procure a equipe Priorit para maiores informações sobre o atendimento da Terapia Ocupacional em domicílio e agende uma avaliação para seu filho.

autismo, autismo rj, autista, autista rj, TEA, TDAH, tratamento autismo, escola para autistas