Atypical estreou recentemente com a promessa de trazer um novo olhar não apenas em relação às pessoas com TEA , mas também no que diz respeito à forma como eles vêem as relações sociais e os contextos envolvidos e à intrínseca dinâmica familiar ,inegavelmente alterada e diferenciada das famílias em geral .

Sam é um jovem de 18 anos , com um grau leve de autismo .Tem verdadeira fixação pela Antártida  e paixão por pinguins,  o que faz com que , muitas vezes  , trace paralelos entre a vida dos pinguins e outros animais e a vida dos seres humanos , como forma de compreender melhor o mundo que o cerca .

Críticos mais severos dirão que o personagem não representa todos os autistas ; fato que seria praticamente impossível de acontecer , pois , como é do conhecimento de todos aqueles que convivem no chamado  “universo azul” , não existe um indivíduo com autismo igual ao outro , tamanha à diversidade e amplitude do espectro autista . Assim sendo , dificilmente  um personagem,  consigará representar de forma satisfatória TODA uma maioria . Sempre haverá alguém que não  se sentirá representado , seja por este ou por aquele motivo .

Entretanto, isto não faz com que Atypical perca um só “milímetro” de verossimilhança , grande parte desta , verdade seja dita , graças ao brilhante desempenho de Keir  Gilchrist,  o ator que interpreta o  protagonista .

Impossível não se emocionar com os dilemas de Sam , rir de suas tiradas,  ou ainda sofrer com suas dificuldades em interpretar as relações sociais e os “sinais” peculiares aos relacionamentos amorosos . Keir oferece uma interpretação crível , o que faz com que o telespectador , muitas vezes , consiga se colocar em seu lugar e sentir-se exatamente como ele , o que para todos nós , que lutamos muito pela conscientização e divulgação do autismo , é uma Vitória e tanto !

A grande verdade é que o autismo é o “fio da meada” que serve para que os autores conduzam não apenas a trama de Sam , mas também o delicado , fragilizado e um tanto conturbado casamento de seus pais , a busca de sua irmã por sua própria identidade  e a dificuldade de sua mãe em aceitar que Sam precisa e pode ter autonomia e  que ela não pode e nem deve  super protegê -lo para sempre.

Uma família que vive seus próprios dramas e enfrentamentos , tendo o autismo a potencializar toda esta vivência.

Uma das grandes contribuições da série, sem dúvidas , foi ter conseguido escapar do clichê  “criança com autismo” ou ainda “adulto gênio com autismo”. É nítido que Sam tem uma inteligência acima da média , mas este fato fica em segundo plano , pois  a estória nos conduz , de forma sutil , a “mergulhar” na mente de Sam e “ver” e “perceber” a vida através de sua ótica.

A forma leve e suave  com que o tema é tratado , sempre de forma respeitosa ( e politicamente correta !) e os diálogos   bem conduzidos deixam a narrativa ágil e sem monotonia .

Ganham destaque os  anseios de Sam por autonomia e independência,  sua procura por uma namorada e a descoberta da sexualidade  , temas que raramente são  discutidos , alguns deles tendo tornado-se quase tabus .

A primeira temporada chegou ao fim deixando saudade . Espero que as próximas abordem temas tão importantes e diversificados como os que foram abordados nesta primeira,  passando longe do lugar comum .

Atypical cumpriu o que prometeu , provou a que veio e mais um pouco.

3 Responses to Atypical: No fio da navalha, as emoções e sensações de um adulto com TEA
  1. Tbm amei essa série!!! Realista e divertida ao msm tempo q é emocionante.

  2. É uma pena que não tenha assistidas sem dúvida temas como esse devem ser cada vez mais divulgados no cinema e na TV, incluindo a tv aberta que tem ampla penetração nas casas! Parabéns Denise pela abordagem,como Sempre lapidar.

  3. Oi eu assisti e adorei estou aguardando a próxima temporada.


[top]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

autismo, autismo rj, autista, autista rj, TEA, TDAH, tratamento autismo, escola para autistas